»Home»Área de Pesquisa»GNSS

GNSS

Nos últimos anos, os estudos sobre deformações presentemente ativas na crosta, devido a movimentos horizontais e verticais de origem tectônica, magmática, vulcânica ou isostática, obtiveram excepcional desenvolvimento graças aos grandes avanços obtidos na área da geodésia, com a melhoria temporal e espacial de posicionamentos geodésicos pontuais através de dados de sistemas globais de navegação por constelações de satélites (GNSS).

A figura 1 ilustra muito bem este progresso, mostrando as áreas de concentrações, nos últimos anos, de estações GPS em regiões tectonicamente instáveis, particularmente em faixas de descontinuidades entre placas tectônicas, por exemplo, como toda a costa oeste das Américas, Antilhas, região do Mediterrâneo Europeu, Japâo, Nova Zelândia e Sumatra.




Os estudos envolvendo o monitoramento de deformações seculares nas crostas continental e oceânica, muito mais lentas, como também translações e rotações ao redor de eixos verticais, e movimentos eustáticos, que necessitam de grande acurácia, requerem medidas de posicionamento com precisão de centímetros, e os tensores de deformações com precisão de milímetros. Este nível de acurácia só pode ser extraído de longas séries temporais, estimando-se a velocidade (milímetros por ano) em dados de sensores calibrados e instalados em estações robustas, operando ininterruptamente por vários anos, com um mínimo de 2 anos.

A importância dessa área de pesquisa ao desenvolvimento da exploração e uso do petróleo e gás natural reside no avanço do conhecimento sobre deformações crustais ativas, rúpteis e dúcteis, relacionadas a concentrações de esforços e tensões, particularmente em regiões sismogênicas, em áreas de sedimentação ativa, na margem passiva e áreas intraplacas, em subsidência continental, como também em áreas de erosão, em soerguimento epirogênico. Adicionalmente, tem grande impacto o posicionamento preciso para monitorar movimentos de plataformas de perfuração e extração, e extensos dutos metálicos de petróleo e gás.

A utilização do conhecimento geofísico atual será primordial também para obter, a priori, informações sobre as condições de estabilidade crustal relacionadas às propriedades físicas da litosfera e as manifestações de rupturas que causam os sismos.